Conexões Rio Pinheiros apresenta ideias para qualificar microacessibilidade da região

Conexões Rio Pinheiros apresenta ideias para qualificar microacessibilidade da região

Plataforma conheceu ideias vencedoras do Concurso 3 Estações.

12/03/2015

Especialistas do WRI Brasil e EMBARQ Brasil apresentaram, nesta quinta-feira (12) aos demais membros da Plataforma Conexões Rio Pinheiros, os vencedores do Concurso 3 Estações, revelados em dezembro do ano passado. A disputa pública reuniu ideias para requalificar o entorno das estações Berrini, Santo Amaro e Vila Olímpia, em São Paulo, com foco na acessibilidade de pedestres e ciclistas. As ideias vencedoras compõem o Diagnóstico e Propostas para a Melhoria da Microacessibilidade das Estações de Trem do Entorno do Rio Pinheiros, realizado por WRI Brasil, EMBARQ Brasil, LABAUT/FAUUSP com apoio do USP Cidades.

<figcaption>Reunião da Plataforma Conexões Rio Pinheiros - 12/03/2015. (Foto: Maria F Cavalcanti / EMBARQ Brasil)</figcaption>
Reunião da Plataforma Conexões Rio Pinheiros - 12/03/2015. (Foto: Maria F Cavalcanti / EMBARQ Brasil)

Entre os participantes da reunião estavam representantes da CPTM, CET SP, Subprefeitura de Pinheiros, Câmara de Vereadores, Águas Claras do Rio Pinheiros, Caronetas, SOBRATT, Associação Colmeia, Cidades Sustentáveis, CEBDS, Odebrecht, Bayer e Steer Davies.

Lara Caccia e Paula Santos Rocha, da EMBARQ Brasil, explicaram que o concurso foi baseado em ideias criativas realizadas por arquitetos da capital paulista e todas apresentam bom potencial. “Temos exemplos de ciclovias conectadas às estações, implementação de comércio e áreas de convívio em zonas que hoje são um problema até de segurança pública pela falta de ocupação”, pontuou Lara Caccia. “São soluções que podem inspirar projetos a serem implementados. Os pontos apresentados na maioria das propostas são bem realistas”, considerou Paula Rocha.

O desafio agora é impactar a região do Rio Pinheiros de modo real. “A expectativa é que o projeto se encaminhe para um novo estágio, o de políticas públicas, para transformar a realidade”, afirmou Monica Salles, consultora de Responsabilidade Socioambiental da Caterpillar, também realizadora da Plataforma.

“O trabalho apresentado está perfeito. Agora precisamos disseminar o documento e nos debruçarmos no que realmente pode ser feito”, pontuou Adevilson Maia, representante da Subprefeitura de Pinheiros.

O documento deve ser formalmente entregue à Prefeitura com o objetivo de incentivar a implementação de soluções aos problemas de microacessibildiade enfrentados hoje pela população nos entornos das estações CPTM.

“Nossa ideia com a Plataforma é entender o que é o melhor para as pessoas que frequentam a região do Rio Pinheiros. São Paulo é uma cidade vibrante, mas carece de espaços públicos que reflitam isso. Queremos tornar São Paulo uma cidade melhor”, concluiu Laura Valente, consultora do WRI Brasil à frente da Secretaria Executiva da Plataforma ao lado de Katerina Elias.

<figcaption>Especialistas do WRI Brasil e EMBARQ Brasil entregam diagnóstico de microacessibilidade do entorno das estações à Monica Salles, da Caterpillar. (Foto: Maria Fernanda Cavalcanti / EMBARQ Brasil)</figcaption>
Especialistas do WRI Brasil e EMBARQ Brasil entregam diagnóstico de microacessibilidade do entorno das estações à Monica Salles, da Caterpillar. (Foto: Maria Fernanda Cavalcanti / EMBARQ Brasil)

Águas Claras

A água também foi o foco da reunião desta quinta-feira. A Diretora Executiva do Águas Claras do Rio Pinheiros, Stela Goldenstein, realizou uma apresentação ao grupo sobre a importância de haver mobilização também em prol do rio e córregos da região. “Muitas pessoas não sabem, mas cada bituca de cigarro, papel no chão, óleo dos carros e a poluição vão direto para os córregos do rio, afetando a qualidade da água que nos abastece”, explicou.

A especialista ainda destacou que na bacia do Rio Pinheiros há quase cinco mil pontos de favelas, que não têm política sanitária uma vez que não são áreas urbanizadas. “Por isso a questão da água é uma responsabilidade compartilhada entre diversas esferas do governo. Precisamos tomar medidas de longo prazo, mas que precisam ser feitas já”, alertou.

Saiba mais sobre o trabalho do Águas Claras do Rio Pinheiros.